Meditação, Mindfullness e Autocompaixão

CompassivaMente

Carta da Mãe Natureza – Parte I

(Gostava de deixar claro que reconheço a tragédia e drama que vivemos. Em particular a dor dos que directamente foram afectados, e dos que serão afectados por esta pandemia. Não faço aqui a apologia do coronavirus ou sequer das catástrofes naturais. Lamento muito todo o sofrimento e angustia que estes tempos estão a trazer. Ainda assim, toda a crise traz oportunidades. Com este texto, convido o leitor a um olhar diferente, mais abrangente, menos antropocentrado, dos tempos excepcionais em que vivemos. Que possamos todos ficar a salvo. Que possamos todos emergir desta crise melhores seres humanos.)

 

Pedir-te-ei gentilmente que te detenhas. Depois ordenarei com um só berro: Pára! Silenciarás o teu ruído, e os pássaros ouvir-se-ão de novo. Ficarás recluso no teu próprio lar, com todo o tempo que sempre disseste não haver. Travarás amizade com o tempo e o silêncio… E quando finalmente saíres do teu abrigo, se o teu olhar tiver acumulado suficiente humildade e responsabilidade, poderás enfim reclamar de novo o nome de Ser Humano.”, excerto do Livro da Mãe Natureza

 

Meu querido, aquilo a que chamas inimigo invisível, eu chamo consequência e oportunidade. Se te seguro agora pela mão, é para que possas parar, para que possas olhar e ver. Estás em rota acelerada para um abismo e tragicamente não vais só. Esta pandemia é apenas um prelúdio do que aí vem.

Estás numa encruzilhada existencial. Alguns sinais no caminho poderão apontar-te oportunidades que poderás considerar agarrar. Senta-te aqui ao meu colo, abre o coração a estas palavras que te vou segredar:

 

Quem és tu?

Quem és tu, agora que o ruído sossega, os afazeres se reduzem, agora que as correrias já não são uma possibilidade? Aproveita esta pausa que te proporciono para saíres da preguiça de estares sempre a fazer coisas. Será que te conheces quando não estás em movimento? Sabes quem és sem a validação exterior? Quem és tu quando não estás a traçar mapas e planos para o grande projecto a que chamas vida?

 

Onde colocas o teu coração?

Usa esta oportunidade para sentires onde estão os teus compromissos. O que valorizas? Onde investes a tua energia? Onde colocas o teu coração? Levanta os olhos por um momento. Ainda estás no teu caminho? Será que alguma vez estiveste? Será que percorres o caminho de outro alguém? Terá o teu coração em algum momento tocado o meu?

Necessitas sentir o que se agita em ti para te conheceres. E só sentirás se parares.

 

Como está a saúde das tuas relações?

Aproveita este tempo em isolamento forçado para reveres a qualidade das relações que foste construindo. Não importa a quantidade de amigos virtuais que possas ter. A palavra chave aqui é qualidade. Começa pela pessoa com quem passas a maior parte do tempo. Tu. Como te relacionas contigo mesmo? Como te relacionas com o teu círculo de pessoas mais próximo?

Em última instância, a forma como te tratas e respeitas a ti mesmo reflecte a forma como tratas o outro, a forma como me tratas a mim. Vai ao teu encontro aí onde estás e aprende a ser o teu melhor amigo. Há vida em ti que aguarda ansiosamente por este reencontro.

Agora sem os adereços habituais, os entretenimentos, os eventos sociais e o ruído da multidão estarás “despido”. Serás tu e a tua vulnerabilidade perante o outro. O isolamento trará aprofundamento. Terás aqui uma prova de fogo, com o potencial de revelar o que é verdadeiro e o que é circunstancial ou frágil.  O desafio exigir-te-á que cultives uma comunicação compassiva, o respeito pelo outro e a gentileza.

 

De que tamanho é o teu circulo?

Este vírus levou-te ao isolamento. Talvez assim te relembres que és uma espécie gregária que precisa da tribo. Agora que não podes abraçar e tocar no outro, talvez te recordes da importância dos afectos, da importância de cuidares do teu grupo e de abraçares o bem colectivo. Recorda-te que essa angústia, esse medo que sentes, é o que te liga a toda a tua tribo. Nos momentos alegres é fácil aventurares-te longe dos teus, talvez até esquecê-los. Mas é na travessia dos vales escuros da tua existência que és chamado a renovar esta aliança.

Os momentos de ameaça e crise podem revelar-te o tamanho dos teus laços de afiliação. Tens aqui a oportunidade de descobrir um caminho que contemple uma perspectiva mais abrangente. Vais tomar o caminho conhecido de salvar apenas o teu umbigo? Vais açambarcar o máximo que puderes para a tua família? Vais fechar as fronteiras sem acudir aos teus vizinhos? Ou ensaias a cooperação e a confiança no outro? Veremos até que ponto construíste de facto uma comunidade global. Até que ponto consegues unir a tua tribo em tempos de ameaça.

 

De quanto preciso?

A tua tribo padece de cansaço crónico. Aproveita este antídoto, ajudar-te-á a parar.

Ao tomares este remédio, a tua hiperactividade, a tua hiperprodutividade e o teu hiperconsumismo entrarão em quarentena.

Agora que paraste de correr, observa. Qual o sabor da tua existência? Será que corres assim tanto, para teres tanto, porque sentes tão pouco? Vejo em ti um vazio de significado. Um vazio de desconexão com a tua tribo. Desconexão comigo.

Deixa para trás o acessório, o sofisticado, o complicado. Foca-te no essencial: saúde, amor, conexão, natureza, espiritualidade.

Simplifica, abranda e escuta-te. Escuta-me. Dentro de ti falo na voz da abundância. Aquilo que tanto procuras também está à tua procura.

 

O que dirás às futuras gerações?

Observo com curiosidade como este vírus tem sido benevolente com as tuas crianças e jovens. Encorajo-te a cultivares o mesmo olhar compassivo e esperançoso pelas novas gerações. Acredito que novas possibilidades de caminho poderão vir daqueles que mais têm a perder, daqueles cujas mentes ainda não estão cheias de certezas, daqueles que ainda se permitem maravilhar com a minha presença. Refiro-me às novas gerações, mas também às gerações que ainda não nasceram. Uma multidão de rostos que caminham lá atrás na caravana e que poderão não encontrar um mundo habitável. Que palavras encontrarás para lhes explicares que não poderão sonhar? Como aplacarás a sua cólera?

 

Este texto terá continuação numa segunda parte…

 

Texto escrito em Março de 2020

Filipe Raposo

Imagem: cortesia da Estação Espacial Internacional, extraído de www.nasa.gov

 

Compartilhar

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Receba Gratuitamente

Ebook sobre mindfullness

Mais Relacionadas

Esperança

Ouvir a narração deste texto:   “…A esperança é a mais doce e implacável das carcereiras…”, Autor Desconhecido

Ler mais "

Paradoxos no Caminho

Ouvir a narração deste texto: Paradoxo refere-se à circunstância, que conjuga diferentes aspectos da realidade aparentemente antagonistas ou

Ler mais "

Subscreva a nossa newsletter

INTRODUZA O SEU EMAIL E ESTEJA SEMPRE A PAR DAS NOVIDADES

Por um mundo mais compassivo. mindfullness, autocompaixão

@compassivamente 2023