Meditação, Mindfullness e Autocompaixão

CompassivaMente

Paciência

 

Conseguem reconhecer em vocês mesmos, em certos momentos da vossa vida, uma urgência, uma inquietação, uma vontade de passar adiante à próxima coisa, ou acelerar algo que está a decorrer? Por exemplo, quando começam a ler um texto, dão por vocês a ler na diagonal, saltando inúmeras palavras de forma impaciente, para captar a mensagem o mais depressa possível? Ou já deram por vocês a sentir-se irritados quando o ritmo do discurso, ou da ação de alguém é mais lento do que o vosso? Já se sentiram irritados, com os dias invernosos, ansiando pela chegada da primavera? Ou quem sabe contam os dias para a chegada da vossa idade de reforma?
Se isto vos é familiar então conhecem o gosto da impaciência.

Em primeiro lugar, quando estamos impacientes, estamos mais uma vez a rejeitar a realidade do momento presente (queremos algo que está adiante) e geramos ansiedade. Para além disso, estamos a perder a oportunidade de encontrar contentamento e paz no único lugar em que é possível encontrá-lo – aqui e agora.
Porque será que queremos tanto alcançar o que virá depois? Não será esta aspiração algo que nos encurta o tempo e nos aproxima da morte?

Parece-me que na cultura ocidental onde nos encontramos, com um ritmo tão acelerado, com vidas tão cheias de afazeres, tão sobrecarregadas de responsabilidades e compromissos, tudo nos empurra para um ritmo vertiginoso que potencia a impaciência. A ausência de tempo livre para contemplação e de silêncio; a desconexão do que são as nossas verdadeiras necessidades enquanto seres humanos; o guião convencional que glorifica o ter em vez do ser, criam o terreno fértil para a impaciência.

A impaciência é um sintoma de que não estamos em sintonia com o fluxo da vida, ou que não compreendemos, ou não aceitamos a dinâmica e a causalidade dos processos da natureza. Esta sintonia requer uma experiência que só se obtém com tempo, observação e realização. Talvez por isso as crianças e os jovens tendem a ser mais impacientes e é nos mais idosos que tendemos a buscar a visão sábia. Esta sabedoria a que me refiro, não é necessariamente construída com um longo percurso académico, ou com o acumular do conhecimento de muitos factos.

 

Quando estamos impacientes, estamos mais uma vez a rejeitar a realidade do momento presente (queremos algo que está adiante) e geramos ansiedade.

 

A paciência é uma atitude importante a cultivar no treino de mindfulness e na vida de forma geral.

A paciência é uma forma de sabedoria que resulta do reconhecimento e aceitação do facto de que os processos, os acontecimentos, e as mudanças na vida, têm a sua própria dinâmica e requerem o seu próprio tempo, não podem ser apressados. Apenas quando as causas e condições estiverem presentes é que algo que ambicionamos se manifestará, e não antes. Temos de ter a humildade de reconhecer e aceitar, que muitas vezes não está na nossa mão controlar essas causas e condições. Reconhecer também, que por vezes quanto mais tentamos controlar as causas e condições mais longe elas ficam de se manifestar. Se colocámos uma semente na terra, não vamos insistentemente esgravatar a terra para confirmar que a semente já está a germinar!

 

A paciência é uma forma de sabedoria que resulta do reconhecimento e aceitação do facto de que os processos, os acontecimentos, e as mudanças na vida, têm a sua própria dinâmica e requerem o seu próprio tempo, não podem ser apressados.

 

Na prática da meditação, o reconhecimento de que não dá para apressar processos, vai-se tornando mais concreto para nós. Em particular quando notamos que temos uma mente cheia de pensamentos, ou está presente uma emoção difícil. Se usarmos o habitual “modo fazer” para tentar controlar ou forçar a experiência, depressa constataremos que só pioramos a situação.
O mesmo acontece com a nossa progressão enquanto meditadores. Há períodos em que apesar de termos uma prática regular, parece que não está a acontecer nada, ou não notamos qualquer evolução. No entanto, se persistirmos, estaremos a criar e a manter as causas e condições que mais cedo ou mais tarde darão frutos. É como uma pequena gota que vamos acrescentando pacientemente a um balde. Chegará o dia em que o balde estará cheio e colheremos os seus benefícios.

Termino convidando-vos a ler o seguinte conto que fala da virtude da paciência.

 

A Lição da Borboleta

Um dia, uma menina estava a observar maravilhada há horas, uma borboleta que se esforçava para conseguir fazer o seu corpo passar através do pequeno orifício do seu casulo.
Chegou um momento em que parecia que a pequena borboleta não podia avançar mais, apesar do seu esforço. Então a menina que observava angustiada por tamanho esforço, decidiu ajudar a borboleta. Pegou numa tesoura e aumentou o buraco do casulo. A borboleta saiu finalmente sem dificuldade. Mas o seu corpo estava débil, as suas asas não estavam desenvolvidas e as patitas não suportavam o seu peso.
A menina continuou a observar, esperando que a qualquer momento a borboleta se lançasse a voar por entre as flores. Mas nada aconteceu.
A verdade é que a borboleta passou o resto da sua vida a arrastar-se pelo chão e foi incapaz de alguma vez levantar voo.
A menina, com toda a sua boa vontade quis ajudar a borboleta, mas o que ela não sabia, era que as borboletas, ao fazerem um grande esforço para atravessar o pequeno orifício, distribuem os seus fluidos vitais para as partes do corpo que necessitam de força para voar. Ao passar o orifício sem esse esforço, as asas da borboleta não receberam o que necessitavam.

 

Filipe Raposo

Fevereiro de 2024

Compartilhar

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Receba Gratuitamente

Ebook sobre mindfullness

Mais Relacionadas

Esperança

Ouvir a narração deste texto:   “…A esperança é a mais doce e implacável das carcereiras…”, Autor Desconhecido

Ler mais "

Paradoxos no Caminho

Ouvir a narração deste texto: Paradoxo refere-se à circunstância, que conjuga diferentes aspectos da realidade aparentemente antagonistas ou

Ler mais "

Subscreva a nossa newsletter

INTRODUZA O SEU EMAIL E ESTEJA SEMPRE A PAR DAS NOVIDADES

Por um mundo mais compassivo. mindfullness, autocompaixão

@compassivamente 2023