Meditação, Mindfullness e Autocompaixão

CompassivaMente

Generosidade

generosidade mindfulness

Generosidade

Importa desenvolver generosidade pois esta atitude cria um ciclo virtuoso que conduz a nossa vida à felicidade e abundância. A atitude de generosidade está muito relacionada com as atitudes de gratidão e desapego.

Podemos fazer o exercício de reconhecer as nossas boas qualidades e as bênçãos que temos nas nossas vidas, não de forma egóica, autocentrada, mas como o resultado de muitas condições favoráveis e do encontro e partilha com muitas pessoas. Vendo bem as coisas, aquilo que temos de bom nas nossas vidas, começando pelas nossas boas qualidades não são algo assim tão pessoal. Somos o resultado da qualidade e quantidade de inúmeros encontros. Como dizia Saint-Exupéry: “Aqueles que passam por nós não vão sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós.

Deste reconhecimento pode resultar gratidão, e daí a motivação e o prazer de retribuir tudo o que recebemos ou aprendemos de importante. A vida convida-nos a este movimento de colher/receber para depois oferecer/doar de volta ao mundo. A generosidade é uma atitude muito sintonizada com a natureza de interdependência de tudo o que existe. Vida significa relação. Tudo está em constante relação com tudo, nós não somos exceção.

 

A atitude de generosidade está muito relacionada com as atitudes de gratidão e desapego.

 

A ação, palavra ou pensamento generoso que parte de uma visão de interdependência e inter-relação, gera bênçãos partilhadas. Quem dá sente alegria, liberdade e leveza, quem recebe é agraciado pelos efeitos da bondade. Há dignidade no gesto de dar. A generosidade fortalece os laços entre as pessoas e cria uma sensação de confiança e apoio mutuo. Por sua vez, os atos de generosidade inspiram outras pessoas e geram ondas de bondade e atos altruístas.

Quando falamos aqui de generosidade não é no sentido apenas da dádiva material. Podemos ser generosos com o nosso tempo, conhecimento, bondade, gentileza, compaixão, gratidão e perdão. A maior oferenda que podemos oferecer a alguém, é a nossa atenção e presença amorosa e conectada.

 

A generosidade é uma atitude muito sintonizada com a natureza de interdependência de tudo o que existe.

 

Ser generoso e poder trazer dádivas ou oferendas ao mundo, é algo que faz parte das necessidades essenciais do ser humano. Infelizmente a cultura dominante no Ocidente promove não a dádiva mas a divida, não a oferenda mas a acumulação. As narrativas e mitos que suportam a nossa visão da vida mantêm-nos numa ilusão de separação, insegurança e escassez que nos desincentiva e até dificulta a possibilidade da oferenda.

A metáfora dominante é a da manta que é curta demais. Se for puxada para um lado faltará do outro. Se eu der aquilo que tenho em sobra, faltar-me-á amanhã. Há uma pobreza existencial que resulta em parte do hiperindividualismo. Curiosamente, quando desafiamos esta narrativa, descobrimos que, como que por magia, a teia de interdependência nos traz de volta abundância e possibilidades que jamais poderíamos imaginar. Ser generoso e poder trazer dádivas ou oferendas ao mundo, é algo que faz parte das necessidades essenciais do ser humano. Mas em que é que isto se relaciona com o treino de mindfulness? – poderá perguntar-se. Aprender a “largar” e desidentificar dos conteúdos mentais – a que frequentemente chamamos “eu” – e chegar à realização da nossa natureza profunda, é a essência da meditação. Ora, a atitude de generosidade, e o gesto da oferenda cultiva o hábito de desapego na nossa mente. Torna mais natural o gesto de largar algo, algo que reforçava o nosso sentido de “eu” separado, isolado e que precisa de se proteger num mundo hostil.

 

Termino este texto com um conto que nos fala de generosidade.

 

A Menina que devolvia estrelas ao oceano

Durante uma tempestade fenomenal, o oceano agigantou-se e durante toda a noite foi lançando a sua fúria contra a praia. Ondas de mais de quatro metros arrastaram as suas entranhas de caracóis, peixes, algas e outros mil elementos.

Quando ao amanhecer a tormenta se acalmou, a praia estava totalmente coberta de estrelas do mar, que palpitavam levemente à luz morna da manhã. Uma menina madrugadora que caminhava pela praia, começou a devolver as estrelas ao oceano num empreendimento que parecia à primeira vista condenado ao fracasso, dada a enorme quantidade de estrelas na areia.

– Bons dias menina – disse-lhe um turista que a observava com admiração – Podes dizer-me o que estás a fazer?

– Não é obvio? Estou a devolver as estrelas do mar ao oceano. Se não as devolvo depressa, vão morrer com falta de oxigénio.

– Mas, não te parece inútil e descabido o teu esforço? Há milhares de estrelas e é impossível salvá-las a todas. Para além disso, possivelmente haverão dezenas ou centenas de praias também cobertas de estrelas do mar que irremediavelmente vão morrer. Não compreendes que não faz diferença?

– A menina sorriu docemente…, agachou-se…, apanhou outra estrela do mar e antes de a atirar à agua disse: – Para esta estrela sim faz diferença.

Texto escrito em Abril 2024

Filipe Raposo

Compartilhar

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Receba Gratuitamente

Ebook sobre mindfullness

Mais Relacionadas

Esperança

Ouvir a narração deste texto:   “…A esperança é a mais doce e implacável das carcereiras…”, Autor Desconhecido

Ler mais "

Paradoxos no Caminho

Ouvir a narração deste texto: Paradoxo refere-se à circunstância, que conjuga diferentes aspectos da realidade aparentemente antagonistas ou

Ler mais "

Subscreva a nossa newsletter

INTRODUZA O SEU EMAIL E ESTEJA SEMPRE A PAR DAS NOVIDADES

Por um mundo mais compassivo. mindfullness, autocompaixão

@compassivamente 2023